Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capítulo 22 - Compromisso

por Jessie Bell, em 21.05.11

Lauren tinha herdado uma quinta. Uma quinta de cavalos. Criava cavalos, pelos menos foi o que me disseram durante a viagem. Sentia que não me estavam a contar tudo, ou então a sensação devia-se apenas ao facto de estarem demasiado constrangidos para falar disso.


A viagem demorou cerca de meia hora, uma longa meia hora, no entanto, acabámos por chegar. Quando saímos do carro a expressão de Mike começou a mudar, porém, apenas quando viu Lauren, ficou estonteadamente radiante. Vi-lhe algo que nunca antes lhe tinha visto, uma felicidade genuína que, pelos vistos, estava contida dentro de si.


Estudei a mulher que estava à minha frente. Era alta e espadaúda. Tinha uma expressão exótica com os cabelos curtos e negros e uns olhos expressivos e verdes.


Quando Mike chegou ao pé dela, não hesitou: uniu os seus lábios aos dela, sem proferir qualquer palavra. Ela correspondeu energeticamente.


Após se terem separado, Lauren virou-se para mim e para Parker e cumprimentou-o, perguntando-lhe quem eu era, no momento a seguir. Assim que Parker me anunciou, com a mesma solenidade com que o fez em sua casa, também ela me cumprimentou.


A namorada de trinta e um anos de Michael era uma pessoa bastante amistosa, simpáctica e amistosa. A verdade é que era muito parecida com Mike, percebia porque é que eles se amavam. Porém também percebia o problema que a enorme diferença de idades causava.


- Então, Parker? E se fossem dar uma volta? – Perguntou Michael, após vários minutos de conversa casual.


- Que subtil…


- Podem ir andar de cavalo, se quiserem… - Sugeriu Lauren, que estava tão empolgada com a ideia de se ver livre de nós como Mike. – Sabes onde estão as coisas – disse a Parker.


- Ok… Nós também não tínhamos intenções de ficar aqui a fazer de vela. Vamos?


- Claro – assenti.


Começámos a andar até aos estábulos-


- Vamos mesmo andar de cavalo?


- Só se quiseres… Há sempre a probabilidade de caíres…


- Parker, eu sei andar de cavalo.


- Ainda bem – disse com um sorriso.


Entrámos no grande celeiro, onde estavam os cavalos. Parker obviamente conhecia o sítio.


- Olá garanhão. – Disse, aproximando-se de um lindo e enorme cavalo preto, dando-lhe uma festa no seu focinho.


- Como é que se chama? – Perguntei, aproximando-me também do lindo cavalo.


- Zeus.


- Olá Zeus.


- Agora é assim meu menino. Esta é a minha namorada, se tentas alguma coisa com ela, vais ter de te haver comigo. – Ameaçou virando-se para o cavalo.


- Estás mesmo a estabelecer limites com um equídeo?


- Nunca podes confiar muito em equídeos – disse com um grande sorriso.


Após ter-mos aparelhado Zeus e um outra égua castanha, cujo nome era Daphe. Montámos e dirigimo-nos para a floresta, que rodeava a quinta e que estava repleta de trilhos. Tomámos um aleatoriamente.


- Desculpa – começou Parker.


- Desculpa, porquê?


- Por te trazer para o seio da minha louca família disfuncional.


- Por amor a Deus Parker! Eu vim porque quis…


- Tu vieste porque eu te subornei.


- Quem é que te disse que eu não te levei a crer que tu me tinhas subornado, para não te fazer acreditar que me tinhas convencido, somente com palavras?


- Foi isso que aconteceu?


- Bem… o suborno ajudou. Mas eu não vim cá por causa disso, seu perverso. Se querias alguém para isso, podias ter ficado com a Kate.


- Desculpa, mas não é esse o meu critério.


- Ainda bem – disse com um sorriso.


- Mas agora a sério, estás a vontade se te quiseres ir embora. Eu percebo.


- Se tu estivesses no meu lugar e eu no teu ias?


-É claro que não.


- Então isso leva-me a concluir que ou achas que eu não te amo da mesma maneira que tu me amas, ou então simplesmente achas que sou o tipo de pessoa que faria algo do género à pessoa que ama.


- Como é que conseguiste transformar isto num dilema?


- Ainda não me respondeste…


- É óbvio que não acho nenhuma dessas coisas. Não haverá uma terceira hipótese em que ponderes simplesmente que eu me preocupo mais contigo do que me preocupo comigo mesmo e que por isso é que nunca pensaria em pôr-me na tua situação.


- Sim… sim… e eu pensei nisso, mas depois que piada há em tecer conjecturas minimamente lógicas?


- Pois… que piada?


- E quanto há tua família… Parker, eu não vou a lado nenhum, a não ser que me peças. E eles não são assim tão loucos e disfuncionais como o dizes. São pessoas simpácticas. Se conhecesses a minha família, aí sim ias conhecer disfuncional.


- E alguma vez vou conhecer a tua família?


- No que depender de mim, não!


- Porquê? Tens vergonha de mim, é?


- Não.


- Então? Tens vergonha da tua família?


- Não! É complicado…


- Temos tempo.


- Park. – Lamentei-me.


- Explica-te!


- A minha família simplesmente é complicada. A minha mãe já se casou com o meu pai duas vezes. O meu irmão mais velho foi um engano e nasceu quando a minha mãe tinha dezanove anos. A minha família não funciona bem e tu funcionas. Por isso, quanto mais tempo conseguir manter-vos separados, melhor.


- Achas que é contagioso?


- Não sejas idiota, Parker! Eu estou a falar a sério.


- Lillah, por amor a Deus… Eu estou a namorar contigo, não estou a namorar com a tua família


- Lamento informar-te que assim que os conheceres, vais perceber que isso não é bem assim.


- Ly! Eu amo-te a ti e pensares que eu deixaria de te amar por causa da tua família, é algo que nunca me passaria pela cabeça!


- Voltamos a esta conversa quando os conheceres.


- Então vou conhecê-los?


- Eventualmente. Imagina que nos casamos, um dia.


- Imagina?! Grá, para mim, não é imaginação nenhuma, é mais como um futuro já planeado!


- Estás a falar a sério?!


- Achas que estou a falar a sério? – Perguntou, esboçando um sorriso maroto.


- Tu sabes mesmo como assustar uma rapariga!


- Casas comigo?


- Parker, já não tem piada!


- Estou a falar a sério – disse com um tom subitamente sério.


- Não sei se reparaste, mas eu só tenho 19 anos.


- Eu não estou a dizer agora, ou daqui a uns meses. Estou a dizer daqui a uns anos. Quando ambos estivermos prontos. Casas comigo aí?


- Tu estás mesmo a falar a sério?


- É claro que estou. Casas comigo?


- Caso.


- Não estás a brincar pois não?


- Prometo, que daqui a uns anos, se ambos estivermos preparados e nos amar-mos tanto quanto nos ama-mos agora, eu, Dalillah Vanbeveroun, caso-me contigo! – Disse com um sorriso que me veio da alma. – E apresento-te à minha família. Mas, já agora, se nos chegarmos a casar, tens de me pedir outra vez – disse em tom de brincadeira.


- Eu amo-te tanto. Não há palavras suficientes para descrever o que eu sinto por ti. Tu és a melhor coisa que eu alguma vez possuí. Nunca te esqueças disso.


- Nunca o esquecerei – assegurei-lhe.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:17


12 comentários

De Marta a 21.05.2011 às 21:14

Obrigada Nó!!!
Adoro, adoro, adoro, adoro, adoro, adoro adoro adoro!

De Marta a 21.05.2011 às 21:15

Adoro, a agora quero o capítulo 23.
Continua com o óptimo trabalho!
Bjs

De Marta a 21.05.2011 às 21:31

Este já é o segundo pedido de casamento. Este aqui foi melhor que o primeiro, eles já sabiam o nome um do outro, já se conheciam, teve direito a uma introdução. Isto vai melhorando, por isso é garantido que o terceiro vai ser fantástico.

De a 21.05.2011 às 21:41

Sabes o que se diz: "À terceira é de vez" x'D

De Rita a 22.05.2011 às 15:55

oh, eles são tão queridos *.*

De Marta a 23.05.2011 às 14:31

Tira a músicá, é super irritante que de cada vez que abro o blog, ou mudo de capítulo, ou faça alguma coisa a música recomece, e me baralhe a cabeça. É particularmente irritante quando estou a ouvir outra música.
Podes tirá-la? Por favor.
Bjs!

De a 24.05.2011 às 22:59

Tive uma ideia! Faz pause, ou entao desliga o som, ou entao vai ao misturador e tira o som a net. Que tal? Nao sera mais inteligente?

De ♥ C. a 26.05.2011 às 16:54

As encomendas estão fechadas mas como até é um tipo de encomenda que gosto eu aceito ;) Pode é demorar um bocado mais sim?
Deve estar pronta no sabado ou domingo, se tudo correr bem, claro ;D
Eu costumo ser rapida ;P

E sim foi aceite, entao!

De ♥ C. a 26.05.2011 às 16:59

Eu só vi agora x) Esqueci-me de por.te na lista.
Aquilo nao é automatico xP

De ♥ C. a 26.05.2011 às 17:00

Ja estas la ;)
Agora vou indo, bjs*

Comentar post


Pág. 1/2



You told me I was like the dead sea. You never sink when you're with me.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog