Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capítulo 16 - Decisão

por Jessie Bell, em 05.05.11

Os dias passaram. Os dias passavam, mas o mesmo não acontecia à dor. Nem mesmo as aulas por recuperar, Parker, os meus amigos, nada disso me fazia esquecer de que a outra parte de mim estava deitada numa cama de hospital estática, imóvel, inanimada… Há duas semanas que ela estava assim. Estávamos a meio de Novembro. Podia esconder-me durante mais um mês. Mas, e depois? Depois teria de voltar. Teria de voltar nas férias de Natal. O Natal. A minha altura preferida do ano. Porém, este Natal, passaríamos os sete a chorar à volta da cama de Mariana.


 


Era a semana dos exames de dança. Os de representação seriam na semana seguinte e os de canto na outra.


Era segunda-feira, dia 18 de Novembro. Abri os olhos assim que o despertador soou, tal como Parker.


-Bom dia – disse ele. Bocejei e depois beijei-o ao de leve. Espreguicei-me e olhei para o relógio de Parker, que estava pousado na mesinha-de-cabeceira. Eram oito


- MERDA! Merda! Merda! Merda! – Abanei Parker freneticamente. – Parker! Acorda! Estamos atrasados.


- Ãnh? – Perguntou num tom preguiçoso.


- São oito da manhã! Acorda!


Parker pegou no relógio, abriu um olho e fitou-o.


- Não são nada, Ly. São sete da manhã. O meu relógio está sempre uma hora adiantado.


- Ia tendo um ataque cardíaco. Porque raio é que tens o relógio uma hora adiantado?


- Porque me dá gozo olhar para o relógio e ver que ainda tenho mais uma hora. Além de que, de manhã, dá-me a sensação de que dormi mais uma hora do que aquilo que realmente dormi. – Senti a minha cara exangue, devido ao susto que tivera.


- Estás bem, não estás? Não vais desmaiar ou assim? São só horas.


- Apetece-me bater-te.


- A mim apetece-me beijar-te e acho que estou muito mais relutante a fazer aquilo que eu quero. – Dito isso, puxou contra si e beijou-me, tal como queria. E, por muito que me apetecesse dar-lhe um murro, não o fiz.


- Então agora que tu já fizeste aquilo que querias agora é a minha vez, certo?


- Isso querias tu. Mas não queres chegar atrasada, pois não? – Revirei os olhos e levantei-me da cama.


Preparei-me e fui para P.A..


O primeiro exame era o de Ballet. E sinceramente, não tinha tido tempo nenhum para treinar. Os nervos começaram a penetrar no meu corpo, como facas aguçadas. Respirei fundo dez vezes, quando ouvi a professora de ballet chamar o meu nome.


Dirigi-me ao centro do estúdio e comecei.


Estava tudo a correr muito bem. Excelentemente bem. Sentia-me livre. Sentia-me bem. Há muito tempo que não fazia nada de produtivo. Apesar dos nervos, da falta de treino e de tempo, passei com boa nota.


Isto tudo deixou-me muito feliz. Tinha recuperado parte da minha fé no mundo e isso agradava-me bastante.


Porém, o fantasma do coma da minha irmã ainda me assombrava. O que é que iria fazer caso ela não acordasse? Continuaria? Ou deixar-me-ia cair no abismo da minha mente? Teria força para continuar? As respostas para todas estas perguntas, apesarem de estar dentro de mim, estavam fechadas a sete chaves na minha mente. Por isso, todas e quaisquer projecções para aquilo que seria a minha vida, eram pura especulação.


Tinha de ligar à minha família. Tinha. Eu sabia disso. Teria de os enfrentar. Mas porque é que eles também não me ligavam.


Cheguei a casa às duas. Atirei as minhas coisas para o chão e o meu corpo para a cama. Peguei non meu telemóvel. Comecei a marcar o número. As lágrimas começaram a escorrer e não tive coragem para pressionar a pequena tecla verde.


Ouvi a porta do apartamento abrir-se e Jessica entrou no quarto. Olhou para mim, sentou-se na beira da cama e abraçou-me


- Lillah – disse olhando para o telefone, - vais ter de lhes ligar um dia.


- Eu sei, mas não hoje – murmurei num suspiro.


- Quando?


- Não sei! Mas hoje não.


- Porque é que hoje não é um dia tão bom como outro qualquer?


- Porque não o quero estragar.


- Ly. Vais ter de enfrentar isto! Quer queiras, quer não.


- Porquê? Porque é que se estão a meter nisto, se não vos diz respeito? Se não vos afecta.


- Achas que não nos afecta? Achas que a tua felicidade não importa para nós? Somos teus amigos Dalillah. Queremos o teu bem.


- Sabes que eu não vou ficar mais feliz quando lhes ligar, certo?


- Se houver más notícias, sim, vais ficar desolada. Mas vai passar. E nós vamos estar aqui para te ajudar e não vais ter de estar sempre a esconder essa agonia.


- Deixa me estar em paz. Isto aqui não afecta mais ninguém se não eu. Por isso, deixa-me estar.


- Achas mesmo que não afecta mais ninguém? Olha para Parker. Ele está preocupado contigo. Ele vê que estás a sofrer. Esqueces-te que é ele que te acorda quando estás a gritar, à noite. E sim ele tenta estar feliz para ti. Tenta sorrir e fazer-te esquecer a dor. Mas já pensaste, que sempre que ele te tira parte dessa tua dor, ele é que a recebe. Por te ver assim, pelo simples facto de que sempre que olha para os teus olhos, a única coisa que vê é um vazio. Um vazio que ele não consegue preencher. Liga-lhes Lillah, para aliviar a tua dor e a dele. – Dito isto abandonou o quarto, deixando-me sozinha com o telefone.


Pressionei o pequeno botão e, após dar sinal três vezes, ouvi a voz de Francisca, do outro lado da linha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 11:29


5 comentários

De Rita a 05.05.2011 às 11:59

Gostei muito :) Não demores com o proximo.

De Dih'h ◕‿◕ a 05.05.2011 às 18:56

'Ta lindoo!
Posta rapido xD

De Rita a 05.05.2011 às 21:16

Adorei :) mas era escusado parares logo na melhor parte... xD continua com o bom trabalho

De Pretty a 05.05.2011 às 22:20

Obrigada por seguires, já fiz o mesmo. (:
Beijos.

De NattahL a 14.07.2011 às 16:45

Coitada (:
Estou a adorar!
xoxo'

Comentar post



You told me I was like the dead sea. You never sink when you're with me.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog