Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Capítulo 35 - Carta

por Jessie Bell, em 06.07.11





 


Sábado, para mim, tinha duas versões: por um lado só tínhamos aulas à tarde, por outro, as aulas eram todas teóricas. Assim, passávamos quatro, cinco, ou mesmo seis horas a ouvir professores como o enfadonho Mr. D’Arville a falar-nos de nada mais nada menos do que gestão! Qualquer pessoa morria de tédio. Depois, havia ainda a Mrs. Sayce de formação musical e de história e interpretação da música. As aulas não tinham horas de fim definidas, dependiam do quanto os professores queriam ou não falar. E nós limitávamo-nos a ficar lá a morrer…


Quando acordei, já toda a gente estava a tomar o pequeno-almoço, por isso arrastei-me da cama e dirigi-me à cozinha, ficando a espreitar pela porta de vidro, para encontrá-los a rirem-se e a falarem. Reflecti como parecíamos uma pequena família, isso deixava-me feliz.


Entrei e sentei-me ao colo de Parker e dei-lhe um longo beijo.


- Gente! Estou a tentar comer. – Disse Kevin, fingindo vomitar.


- Oh… Queres que eu também me vá sentar ao teu colo? Ou preferes que seja o Parker? – Perguntei-lhe, beijando novamente Parker.


- Eu acho que ele preferia que fosse antes a Jessica… - Comentou Parker, soltando uma gargalhada.


Todos os olhos caíram em Kevin, que, após ter mandado um esgar raivoso a Parker, corou e disse nada.


- Isso é verdade? – Prontamente perguntou Jessica.


- Esperem! – Exclamara Josh. – Se vai acontecer alguma coisa, deixem-me ir buscar a minha câmara.


- Não vai acontecer nada! Não há nada para acontecer. O Parker é que acha que como ele arranjou uma namorada, toda a gente tem de seguir o seu exemplo.


- Mal não te fazia – sugeriu Parker.


- Também não te fazia mal estares caladinho uma vez na vida!


- Ohhhh… Vocês ficavam tão bem juntinhos… -disse Melanie, formando uma moldura com as mãos que enquadrava apenas Kevin e Jess.


- Desculpa lá, mas eu não tenho um dizer nisto? – Perguntou Jessica, para o vazio, num suspiro.


- O que é que tu queres dizer? – Respondi-lhe, naquela pergunta.


- Eu não quero dizer nada. Só quero que parem de especular o meu futuro. É pedir demasiado, gente?


- Exactamente! – Kevin concordara.


- Oh… e concordam um com o outro e tudo… - Melanie juntava as mãos uma à outra e esfregava-as contra as faces rosadas.


- Pára tudo! – Exclamou Josh. – Estamos a ter aqui uma conversa muito bonita e tudo, mas já alguém reparou que ainda não se ouviu a voz do Mike.


Olhámos todos em redor. A verdade é que, desde que entrara naquela cozinha iluminada, nem tinha reparado na ausência de Michael…


- O Mike está, por iniciativa própria, a arrumar o nosso quarto.


- Parker, nós estávamos a falar a sério…


- Eu também…


Ouvimos a porta da cozinha abrir-se, num gemido, e de repente ali o vimos de vassoura na mão. Todos nos soltámos em gargalhadas desalmadas que ecoaram pela casa.


- Por favor diz-me que puseste isto no lixo por engano? – Michael trazia um pedaço de papel amachucado.


- Porque é que andaste a mexer no lixo?


- Caiu do monte. E Parker isto não é lixo.


- É sim, se estava lá, é porque é. Eu de qualquer modo, hoje à tarde já vou dizer que não ao pé de Mr. Rosewell.


- Espera aí, do que é que estão a falar afinal? – Perguntei eu, intrigada.


- Nada! Michael, isto não é nada! Eu já decidi, assim que li isso.


- Nós vamos deixar-vos sozinhos – anunciou Jessica, levantando-se e abandonando a sala, assim como os outros.


- Dalillah, lê isto e põe-lhe algum juízo naquela cabeça.


Agarrei no papel que estava endereçado a Parker e comecei a ler:


“ Mr. Parker Halle,


Estamos agradados ao anunciar-lhe que lhe foi garantida uma vaga parcial na nossa escola elite “Hollywood School of Performing Arts”. Como sabe, a nossa escola não faz audições há muitíssimo tempo, recorrendo apenas a olheiros.


De qualquer modo, pensamos que tem muito potencial. Assim, convidamo-lo a ingressar na nossa escola, de forma a que possa explorar melhor o seu talento único.


As suas aulas serão dividas entre cá e a New York’s P.A., graças ao nosso protocolo, pois não oferecemos aulas teóricas: três semanas cá, uma aí. Começarão, assim que aceitar o nosso convite.


Há também que referir que a nossa vaga está apenas restrita ao canto, pelo qual teria de fazer representação por exame, caso não queira desistir dessa área.


Ansiosamente esperando uma resposta (a qual poderá dar ao seu professor de canto (Mr. Rosevelt),


Mr. McDonald


(Chefe das Admissões)”


- Michael, podes-nos deixar sozinhos, por favor – pedi-lhe, engolindo em seco.


Michael abandonou a sala, assentindo e pedindo-me novamente para pôr algum juízo na cabeça do irmão.


- Lillah, deixa-me explicar…


- Não! Cala-te. Deixa-me pensar.


- Não há nada para pensar. Eu já decidi!


- Decidiste o quê? Que vais abdicar do teu futuro? Da tu carreira? Grande decisão, Parker…


- Decidi que não vou abdicar de ti – proferiu, com a sua mão colocada nos meus braços, que se encontravam cruzados.


Arfei, aquilo simplesmente irritava-me. Isto agora parecia que era sempre assim. Sempre que a minha vida tinha sinais de melhoras vinha alguma que piorava tudo, novamente.


Eu não o podia deixar fazer aquilo. Deixar escapar uma oportunidade assim…


Já tinha ouvido falar daquela escola, de quem ninguém sabia muito. Era um sonho conseguir entrar naquela escola. Quase ninguém o conseguia. Muita gente nem sabia da existência daquela escola elite. Qualquer pessoa que saísse de lá tinha um futuro garantido. Um vida traçada com luxos e sucesso e fama e com um completo domínio sobre o seu talento.


- Tu vais – garanti-lhe.


- Tu não podes fazer essa decisão por mim, Ly, não quando eu já a tomei.


- Porque é que estás a fazer isto a ti próprio? – A minha cabeça divagava por duas teorias diferentes, ou ele era masoquista, ou então não fazia noção daquilo que estava a perder, de qualquer modo, eu faria os possíveis para lhe esclarecer as duas.


- Eu não te vou abandonar, Dalillah.


- E eu não te vou deixar fazer isto a ti próprio. Se o negares, se negares esta oportunidade estás a acabar com tudo aquilo que alguma vez existiu ou existirá entre nós. Cada vez que olhares para mim, tudo o que vais ver é a pessoa que te impediu de alcançar os teus sonhos e eu não vou deixar que faças isso. Pelo bem de ambos.


- Lillah… Eu nunca faria isso… - Disse, com uma expressão incrédula, amargurada, mordendo os lábios cinzelados, em pensamentos distantes.


- Agora não. Mas um dia, daqui a uns anos, cairias na tentação de olhar para trás e depois não haveria volta a dar-lhe.


- Eu nunca… - Cobri-lhe os lábios, com um dedo, silenciando-o.


- Tu vais – garanti-lhe de novo. Por muito que me custasse… Ele tinha de ir. Era a sua vida.


- Não, não vou. Dalillah, desculpa mas eu não consigo ir e deixar-te aqui. Não consigo.


- Então deixo-te eu! Parker Halle está tudo acabado. – Tentei reter as lágrimas. Parecer forte, segura de mim mesma, mesmo que não estivesse.


- A minha decisão mantém-se. Eu não te vou deixar.


- Não há nada para deixares. Já disse, acabou! – Estaria ele surdo? Não ia conseguir repetir aquilo muito mais vezes.


- Isso não me impede de ficar aqui. A amar-te.


- Parker. Eu… Eu não quero ficar com alguém que não tem a coragem para perseguir os seus sonhos. Lamento, mas eu não consigo ficar passiva, ao ver-te destruir a tua vida assim! Pensei que gostasse de desafios?


- O que é que achas mais desafiante, já que estamos a ver as coisas por esse prisma: ficar aqui, contigo, sabendo o que é deitei fora, ou ir e conseguir de mão aberta aquilo que quero?


- Então, por favor, pela primeira vez na tua vida, escolhe o caminho mais fácil, por mim… e por ti. Eu não conseguirei olhar para mim, sabendo que fui eu a razão disto tudo.


- Dalillah… Eu não consigo. Eu não consigo ir. Abandonar-te… Não me é possível.


- É sim… Claro que é, seu idiota. Eu sei que é difícil… Mas eu não vou a lado nenhum. Vou ficar aqui, três semanas à tua espera, para poder usufruir de uma só. – Engoli em seco e vi-o fazer o mesmo.


Pensar nesta situação em termos pragmáticos era muitíssimo mais difícil. Pensar como seriam de facto as nossas vidas depois daquele momento.


- Achas mesmo que devo ir? – Perguntou, passando-me a mão pelo cabelo.


- Eu não acho. Eu estou a dizer-te para ires, Parker. E por favor não me o obrigues a fazer muitas mais vezes.


- Como é que eu te posso deixar ir, quando isto te custa tanto? Quando isto te custa mais a ti do que a mim próprio. Porque é que estamos a fazer isto a nós mesmos?


- Porque é o correcto. Porque eu te amo. Porque… Porque quando olharmos para este momento daqui a uns anos, veremos o quão corajosos fomos e ficaremos felizes connosco.


- Sempre foste tão orgulhosa, Dalillah… - disse com um sorriso.


- Isso é um “sim”?


- Argh! Sim.


- Sim o quê?


- Sim eu vou para Hollywood. Eu não te consigo dizer que não, pois não? – Perguntou, tomando-me nos braços.


- Na verdade, consegues. Só que desta vez eu tinha razão e tu sabias disso.


- Tão espertinha a minha menina…


- Eu sei.


- Com que então agora eu sou solteiro? Certo? Quer dizer, com tudo o que me disseste e tal…


- Ah! Nem penses. – Puxei-o para mim e beijei-o. Beijei-o, depositando nele tudo aquilo que tinha.


Ele era meu. E isso nem a distância o poderia mudar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35


90 comentários

De ♥ C. a 06.07.2011 às 13:24

Qual é a skin?
Dá.me mais que uma blogskin porque nem todas dão!
E dá-me já todas as informações precisas para as blogskins q escolheres!
E tens de fazer 7 comentários :b

De ♥ C. a 06.07.2011 às 13:50

Gostas logo da que eu acho que não consigo xD Mas vou tentar na mesma :$ acho é q n dá...

De ♥ C. a 06.07.2011 às 14:03

A 3 não consigo mesmo :$ 
Quanto à 4 -.- tu és sempre assim? gostas das impossiveis xD?

De ♥ C. a 06.07.2011 às 14:16

Né preciso já estou a fazer o menu :b

De ♥ C. a 06.07.2011 às 14:16

Ai menu -.-
Eu n queria dizer menu queria dizer o ultimo*

De ♥ C. a 06.07.2011 às 14:55

Ainda n acabei, mas o q achas?
http://mileycss.blogs.sapo.pt/ (http://mileycss.blogs.sapo.pt/)

De Fashion Brand ♥ a 06.07.2011 às 15:16

Exacto...também concordo!! Cada vez que o faço fico muito relaxada! ;)
Adorei o capítulo!!

De ♥ C. a 06.07.2011 às 15:18

E agora?

De ♥ C. a 06.07.2011 às 17:14

http://mileycss.blogs.sapo.pt/ (http://mileycss.blogs.sapo.pt/) melhor, ou ainda afasto mais?

De ♥ C. a 06.07.2011 às 18:15

E agora? http://mileycss.blogs.sapo.pt/ (http://mileycss.blogs.sapo.pt/) xD

Comentar post


Pág. 1/9



You told me I was like the dead sea. You never sink when you're with me.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Pesquisar no Blog